[Nova Olinda] Tradição do pau da bandeira completa 110 anos

Ranilson Silva | 12:11 |

Domingo, 12 de janeiro de 2020



Sem nenhuma sombra de dúvidas o carregamento do pau da bandeira no dia 11 de janeiro de cada ano é o ponto alto de concentração de pessoas nas festividades religiosas e sociais alusivas ao padroeiro São Sebastião em Nova Olinda 

Chegada do cortejo na cidade
Ontem o recém criado grupo “CARREGADORES DO PAU HOMENS DE FÉ” se concentraram em frente a Matriz de São Sebastião, de onde juntos saem no início da tarde em busca do mastro da bandeira, a formalização do grupo é uma novidade na organização da busca do pau da bandeira neste ano e marca os 110 anos da festa que mistura elementos de religião com o profano mas aonde, no final, a fé é o elemento principal. Fiéis se organizaram em grupo para padronizar as camisas vestidas pelos carregadores do pau da bandeira e fortalecer esse momento que abre as festividades do Padroeiro. 




Milhares de pessoas seguiram o cortejo de 12 quilômetros entre o sítio Queimado aonde o mastro foi conseguido pela organização até o largo da matriz aonde foi fincado com a bandeira do padroeiro no ponto mais alto da estrutura de 15 metros. 

Antes de iniciar o cortejo aconteceu um momento solene no qual o pároco, Padre Cesar Retrão, fez a benção do mastro segundo os rituais da igreja católica. O prefeito Ítalo Brito esteve presente no ato inicial e durante todo o cortejo. 

Para abrilhantar o marco dos 110 anos da festa a prefeitura trouxe um grande trio elétrico que puxou os blocos do pau da bandeira, o trio Zueira que é uma das maiores estruturas de festas micaretas do país apresentou a banda Pagodão 26 e juntos garantiram a animação dos foliões durante o percurso entre o sítio Olho D’água e a cidade. 

Este ano a festa é marcada por outro evento importante, além dos 110 anos da busca do pau, a igreja católica celebra 40 anos de instalação da paróquia no município. 

História 

A busca do pau da bandeira de São Sebastião remonta ao início do século XX por volta do ano de 1910, pouco tempo depois da construção da capela de São Sebastião, que se deu no fim do século XIX, pelo colono Bento Ferreira principal de todos os colonos dessa terra, que fez um apelo ao Mártir São Sebastião pedindo pelo livramento de todos os membros de sua família do surto de cólera que atacava a região. 

O motivo para o início do pau da bandeira foi um reforço do mesmo motivo que levou a construção da capela, que foi de livramento da cólera e principalmente de livramento as pragas, que atacavam a região, a seca principalmente, para com ele hastear a bandeira de São Sebastião em um lugar mais alto que a própria capela. 

A tradição da busca do pau da bandeira vem sendo passada de geração para geração. Desiderio Rodrigues de Oliveira, 72 Anos de idade, por exemplo, é devoto de São Sebastião há mais de 50. Ele mantém a tradição erguido na fé no padroeiro e nesse período “todo dia 11 de Janeiro vai em busca do pau da bandeira desde a cama seja onde ele tiver“ garante. Desidero Rodrigues diz: “já fui buscar lá no Guaribal terreno de Seu Elúzio, no sítio solidão no terreno de Seu Antônio Jeremias, no Engenho da Serra já município de Crato, e já faz tempo que vamos buscar lá no sítio Queimado, e onde for eu vou enquanto eu poder eu vou” Afirma. 

Seu Desiderio destacou também a ação dos mais jovens, que agora estão se reunindo se programando pra reforçar a tradição e motivar a fé dos mais jovens, “Essa organização agora essas reunião é muito bom pra reforçar nossa busca e manter essa tradição” Afirma Desiderio a respeito da criação do grupo “carregadores do pau homens de fé”. 

Outra Família muito tradicional nas buscas do pau da bandeira é a família Moreira, Walter Moreira de Lima de 57 anos afirma que é uma forte tradição do município que vem desde que Nova nem era cidade e era ligado a paróquia de Senhora Sant’ Ana de Santana do Cariri, “se tirava pau de bandeira de mais 100 palmo, e num lavrava ele pra ficar fino não, só tirava a casca, era muita gente, muito homem novo pra trazer a bandeira, pesado, passamos a usar cordas pra levantar porque só as tesouras não agüentavam” Falou recordando antigos carregamentos do pau da bandeira. 

E assim se estende até os dias de hoje, devotos de São Sebastião, pedindo por livramento da seca, de enfermidades, e pagando promessas, se deslocam até a zona rural da cidade em busca do mastro para que nele seja hasteada a bandeira de nosso padroeiro São Sebastião. 



Fonte consultada: Blog da paróquia de São Sebastião

Em:: , , ,

Seguidores